29/06/2017

A natureza é linda! #1

A mistura de cores que compõe o céu no fim da tarde, o explosivo brilho amarelado que incendeia no nascer do sol e a leveza das ondas do mar que se movimentam como em um balé. A natureza é linda.
Em toda imensidão, lá ao longe, uma jangada, parece até um pontinho! (somos tão pequenos)




28/06/2017

Momengrafia: Tarde de sabado

Estávamos passeando por nosso bairro na tarde de sabado, fomos dar uma olhada na praia e voltamos para a casa do Math, e lá iriamos dar continuidade ao nosso trabalho de português. Aproveitamos e, no caminho, tiramos algumas fotos! hehe







Noite Estrelada, Vincent Van Gogh

Ficheiro:Van Gogh - Starry Night - Google Art Project.jpg
The Starry Night  - Noite Estrelada (1889) - Vincent Van Gogh
Noite Estrelada é uma das obras mais conhecidas de Van Gogh. O quadro foi pintado quando ele tinha 37 anos e estava internado num asilo. A obra encontra-se atualmente na coleção permanente do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

Ao contrário de muita de suas obras, Noite Estrelada foi pintada com elementos da memória do artista, e não a partir da vista correspondente de uma paisagem. Durante o tempo em que esteve no Asilo, Van gogh dedicou-se em pintar as paisagens da região de Provence.

A paisagem retratada mistura o real com imagens da sua memória, como uma igreja tipicamente holandesa. É notável o contraste entre a calma da pequena vila representada e o caos celestial, com um céu cheio de curvas e turbulento. 
"A noite é muito mais viva e colorida do que o dia", disse o pintor sobre a obra.
Os ciprestes são o elo de ligação entre a terra e o céu. 
 A obra é dividida no plano horizontal pela linha do horizonte e no plano vertical pelo cipreste. O povoado longínquo, de pequenas casas, contrasta fortemente com o cipreste em primeiro plano que se destaca e ajuda ao equilíbrio da composição As pinceladas são curvilíneas, e integram-se de maneira rítmica sobre a superfície da pintura. Estrelas brilhantes pulsam como mini-sóis. Ondas luminosas cortam o centro da tela, parecem ter vida própria. No canto superior direito, chama a atenção a lua que ganhou feições de um sol que transforma em quase dia. Enquanto isso, o vilarejo, com a sua igreja de torre alta, parece adormecer alheio ao céu estrelado cheio de explosões emotivas de Van Gogh. O pintor levou três noites para terminar A Noite Estrelada.

A pintura foi a inspiração para a canção  de Don McLean, "Vincent", que é também conhecida como "Starry Night".

De acordo com Frayze-Pereira, no livro "A criação Trágica: Van Gogh" (editora Vozes): "No confronto entre o céu reconstituído e o céu pintado por Van Gogh, os astrônomos confirmaram a colocação exata das estrelas e a posição da lua na tela, revelando a objetividade da observação de Van Gogh com relação à natureza".

Mitologia Grega: Dédalo e Ícaro

"O céu de Ícaro tem mais poesia que o de Galileu" -Tendo a Lua, Paralamas do Sucesso

Dédalo é obrigado a emprestar a sua obra inventiva aos reis aos quais serve, limitando a liberdade da sua arte. É o gênio de intelecto imodesto, de vaidade inesgotável, que não suporta quando se vê ultrapassado pelo discípulo e sobrinho Talo, assassinando-o friamente por causa da inveja.  Do alto do Olimpo, Atena a deusa da sabedoria, o assistia e transformou a alma de Talo numa perdiz. Perseguido pelo crime, Dédalo inicia uma jornada peregrina, fazendo-o escravo dos reis que o acolhe. O ego inflamado e ciumento do artista aprisiona a sua arte. Fugitivo, Dédalo aporta em Creta, acolhido pelo soberano Minos. Será naquela ilha que ele desenvolverá, a mando do rei, o Labirinto, construído para aprisionar o Minotauro, ser monstruoso, com a cabeça de touro e corpo de homem. Era um edifício com inúmeros corredores tortuosos que davam uns para o outros e que pareciam não ter começo nem fim, como o rio Meandro, que volta sobre si mesmo e ora segue para adiante, ora para trás, em seu curso para o mar. 
Mas Dédalo será feito prisioneiro pelo rei, sendo acusado de conspirar contra o rei e ajudar Teseu a derrotar o minotauro,  sendo então, aprisionado ao lado do único filho, o ingênuo e sonhador Ícaro, no Labirinto. 
Imagem relacionadaEles não podiam sair da ilha por mar, pois o rei mantinha severa vigilância sobre todos os barcos que partiam e não permitia que nenhuma embarcação zarpasse antes de rigorosamente revistada.

"Minos pode vigiar a terra e o mar, mas não o ar"-pensou Dédalo. "Tentarei esse caminho".

Pôs-se, então, a fabricar asas para si mesmo e para seu jovem filho. Uniu as penas, começando das menores e acrescentando as maiores, de modo a formar uma superfície crescente. Prendeu as penas maiores com fios e as menores com cera, e deu ao conjunto uma curvatura delicada, como as asas das aves. O menino Ícaro, de pé, ao seu lado, contemplava o trabalho, ora correndo para ir apanhar as penas que o vento levava, ora modelando a cera com os dedos. Quando o trabalho foi terminado, o artista, agitando as asas, viu-se flutuando e equilibrando-se no ar. Em seguida, equipou o filho da mesma maneira e ensinou-o a voar.

- Ícaro, meu filho, recomendo-te que voes a uma altura moderada, pois, se voares muito baixo, a umidade emperrará tuas asas, e se voares muito alto, o calor as derreterá. Conserva-se perto de mim e estarás em segurança.


Depois, elevando-se em suas asas, voou, encorajando o filho a fazer o mesmo e olhando para trás, a fim de ver como o menino manejava as asas. Até que Ícaro, exultante com o voo, começou a abandonar a direção de seu pai e a elevar-se para alcançar o céu. A proximidade do ardente sol amoleceu a cera que prendiam as penas e estas desprenderam-se. O jovem agitava os braços, mas já não havia penas para sustentá-lo no ar. Lançando gritos dirigidos ao pai, mergulhou nas águas azuis do mar.

- Ícaro, Ícaro, onde estás? -gritou o pai.
Imagem relacionada
Afinal, viu as penas flutuando na água e, amargamente, lamentou a própria arte. Dédalo desceu para apanhar o cadáver do filho e quando caminhava entre os arbustos para sepultá-lo, uma perdiz pairou sobre sua cabeça. Era o espírito de Talo, acentuando a tragédia numa anunciada vingança. 

Denominou a região Icária, em memória do filho. Dédalo chegou salvo à Silicia, onde ergueu um tempo a Apolo, lá depositando as asas que ofereceu ao deus. Tornou-se um protegido no reino mas um dia Minos aportou na Trinácria à procura de Dédalo. A fim de proteger Dédalo, o rei Cócalo fingiu receber com honras o rei Minos, convidando-o para um banho quente e um banquete. 

Para repousar da fatigante viagem, Minos atendeu ao convite. Entrando na banheira, sentiu a água morna e fechou os olhos para repousar. Mas Cócalo havia premeditado matar Minos, e de repente a água começou a esquentar e ferver e, apesar dos gritos de Minos, ninguém veio a socorrê-lo. O soberano de Creta morreu sufocado pelos vapores e pelo calor. Dédalo estava livre do seu maior perseguidor, porém já não tinha mais sentido a sua liberdade. Dédalo seguiu solitário ensinando sua arte a muitos discípulos. E já muito velho, quando viu a morte chegar, Dédalo realizou seu maior sonho, vendo sua alma sem asas voar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...